Canto da Alvorada é a vencedora do Carnaval de Belo Horizonte 2018

Apuração aconteceu na tarde desta sexta-feira no Parque Municipal

Sob fortes emoções a apuração dos resultados dos desfiles das Escolas de Samba e Blocos Caricatos do Carnaval de Belo Horizonte foi realizada na tarde desta sexta-feira, 16, no Parque Municipal. Dentre as escolas de samba, o primeiro lugar ficou com a Escola Canto do Alvorada que trouxe o enredo ´Grupo Aruanda Embaixador da Cultura Brasileira´  (samba enredo do compositor Serginho BH). Este foi 16º título da escola que não desfilou ano passado, mas que também conquistou o primeiro lugar em 2016. 

A Belotur montou toda uma estrutura com palco, telão e tenda no intuito de deixar os foliões comemorarem os resultados. O parque foi tomado pela festa entre muitos sorrisos e choros. “Estamos muito felizes. A vitória mostra um trabalho de um ano inteiro com envolvimento de todos”, destaca o presidente da agremiação Carlos Damasceno. No desfile na Avenida Afonso Pena, o destaque ficou por conta da participação do próprio Grupo Aruanda em três momentos distintos do desfile. “Falar do Aruanda é mais que um enredo, é uma necessidade. É um compromisso da escola de resgatar o que há de melhor na dança folclórica”, explica Maria Elisa de Moraes, diretora de Harmonia e Carnaval. A escola desfilou com  650 componentes, 17 alas e 4 carros alegóricos.

O segundo lugar ficou a Escola Cidade Jardim. Uma das mais tradicionais escolas de samba de Belo Horizonte, que já faturou 20 títulos, sendo 19 consecutivos.  A escola trouxe o enredo ‘Cidade Jardim canta as flores’, criado pelo carnavalesco Paulo Balbino. Fez bonito na avenida e desceu com 800 componentes, três carros alegóricos e 12 alas.

Em terceiro lugar ficou Acadêmicos de Venda Nova. Pentacampeã, a escola venceu cinco das últimas dez disputas, inclusive a do ano passado. A agremiação  celebrou o reconhecimento do conjunto arquitetônico da Pampulha como Patrimônio Cultural da Humanidade, pela Unesco, com o enredo: Sou Pampulha, sou carnaval sou patrimônio da cultura mundial. Desfilou com 600 componentes, distribuídos em 16 alas, com quatro carros alegóricos.

Um empate técnico deixou Acadêmicos de Venda Nova e Estrela do Vale com a mesma pontuação: 159,6. O desempate foi no quesito Conjunto Harmônico, por dois décimos.

“Agradecemos a todas as escolas e blocos caricatos que fizeram bonito na avenida mostrando a força que o Carnaval de Belo Horizonte tomou”, destacou o presidente da Belotur Aluizer Malab.

O primeiro lugar das escolas de samba levou R$ 50 mil; segundo R$ 25 mil e terceiro R$ 12,5.

Blocos Caricatos

Um empate técnico acabou levando para o primeiro lugar os blocos: Bacharéis do Samba; Estivadores do Havaí e Mulatos do Samba.  Houve fortes emoções entre os participantes dos blocos, mas eles ficaram felizes reconhecendo o belo trabalho de todos na avenida. Conforme edital, a premiação será somada e dividida entre os três. O troféu ficará guardado na sede da Belotur até que outros dois sejam confeccionados.

“Foram três anos sem conquistar títulos. Estamos muito contentes e digo que todos blocos que conquistaram o título conosco fizeram um belo trabalho”, comemora o presidente do Bacharéis do Samba, Fernando Junqueira.

Bacharéis do Samba, que já conquistou o título de campeão do Carnaval em 2007 e 2008, foi para a avenida com o tema “Pintando o Sete”, abordando a simbologia da expressão, além de outras curiosidades sobre o numeral.

Estivadores do Havaí trouxe como enredo: “Ilusionismo, magia ou feitiço?” é a pergunta que o Estivadores do Havaí, fundado em 1984, fará para o folião neste Carnaval. Abordando 4000 anos de espetáculos de mágica, o bloco vai para a avenida com 160 integrantes e 5 alegorias móveis e promete confundir e intrigar o público com um desfile repleto de truques de mágica.  O samba do bloco foi composto por

O Mulatos do Samba, que conquistou o primeiro lugar em 2017 apostou em um enredo que alerta para a necessidade de preservação da Amazônia, denunciando o desmatamento ilegal, as queimadas e o tráfico de animais.

A premiação a ser somada é de R$ 25 mil mais R$ 12, 5 mais R$ 6, 250.

Uma das novidades para 2018 foi o aumento no valor da subvenção destinada aos grupos. As escolas de samba do Grupo A recebem R$ 75 mil; as do Grupo B, R$ 37,5 mil; e os blocos caricatos, R$ 37,5 mil. Os valores representam um aumento de 50% em relação ao investimento realizado em 2017.

A estrutura na avenida Afonso Pena também recebeu vários incrementos como  a instalação de um cronômetro visível na avenida, melhorias na estrutura de som e na iluminação do espaço e arquibancadas com mais conforto.

O regulamento de 2018 também inovou ao prever, desde já, a vigência a partir de 2019 de uma dinâmica de acesso e rebaixamento das escolas entre Grupo A e Grupo B, estimulando uma competição saudável que resulte na qualificação dos desfiles a cada ano. Outro aspecto importante, também previsto no regulamento, é a abertura de espaço para o surgimento de novas escolas de samba e blocos caricatos, um ingrediente com potencial para trazer inovação e renovação para o Carnaval.

 O Carnaval de Belo Horizonte 2018 tem o patrocínio da Skol, parceira há cinco anos da folia na capital, e da Uber, nova incentivadora da festa na cidade.

Serviço:

Escolas de Samba:

1°Canto do Alvorada: 159,9

2°Cidade Jardim: 159,7

3°Acadêmicos de Venda Nova: 159,6

Blocos Caricatos:

Empate:

Bacharéis do Samba

Estivadores do Havaí

Mulatos do Samba

O Carnaval de Belo Horizonte é de todo mundo!

O Carnaval de Belo Horizonte já deixou saudades. Tem gente encontrando glitter pelo corpo até agora, mas a verdade é que os momentos dessa folia vão ficar guardados na memória para sempre. Um carnaval plural, de todo mundo e para todo mundo!

 

E por falar em memória, uma das iniciativas mais lindas dessa festa foi a série “É de todo mundo”, idealizada e produzida pela Belotur com o intuito de valorizar e dar voz aos diferentes personagens do nosso carnaval.

 

À frente dessa produção, a jornalista Maíra Cabral entrevistou 12 pessoas apaixonadas pela folia, que se relacionam com o evento de formas completamente distintas e compõem essa mistura bonita que é o Carnaval de Belo Horizonte. “O mais interessante de produzir e filmar esta websérie foi encontrar, ao acaso, pessoas muito diversas”, comenta Maíra.

 

O conceito da série buscou valorizar justamente esse acaso e o fluxo natural que se estabelece entre as pessoas durante o Carnaval. Para o primeiro episódio, a jornalista buscou um ponto estratégico de preparação entre os foliões, a Galeria do Ouvidor. Lá, encontrou Chantal Umbelino, foliã dedicada aos preparativos carnavalescos.

 

Da primeira entrevista, surgiu o nome do músico Gui Guardião, que se tornou o segundo protagonista da série. Ele, por sua vez, indicou um novo nome. Daí em diante, o trabalho seguiu um fluxo natural, evidenciando a pluralidade do Carnaval e a importância de cada pessoa para a composição desta festa, popular e democrática.

 

Surpresas pelo caminho

 

Durante a produção da série, a repórter se deparou com histórias de vida bastante surpreendentes. “Eu sempre prezei em deixar as pessoas a vontade, para que realmente se expressassem da forma como quisessem”, explica.

 

Uma dessas surpresas foi o gari Márcio da Silva, que Maíra encontrou durante o expediente embaixo do Viaduto da Floresta. Apaixonado pelo samba e pelo carnaval, o dedicado trabalhador da folia sonhava em, um dia, voltar a desfilar em sua escola de samba do coração, a GRES Cidade Jardim.

 

E não é que esse sonho se concretizou já no dia seguinte? A Belotur procurou os diretores da escola, que receberam Márcio de braços abertos na avenida. Os resultados desse e dos outros encontros dessa bonita série estão disponíveis aqui. Esse carnaval foi da Chantal, do Gui, da Luiza, da Cláudia, da Nayara, do Roberto, do Gedeon, da Cristal, da Aline e do Zenildo, do Domingos, do Márcio e seu também! Foi de todo mundo!  

Carnaval supera expectativas e tem público de 3,8 milhões

Em entrevista coletiva realizada nesta segunda-feira, dia 19 de fevereiro, o prefeito Alexandre Kalil apresentou o balanço do Carnaval de Belo Horizonte 2018 e destacou que o público total da folia deste ano alcançou a marca de 3,8 milhões de pessoas, o que significa um crescimento de 26% em relação à festa de 2017.

 

O Carnaval aqueceu a economia da capital, produzindo números recordes para a ocupação hoteleira no período, aumento na receita de bares e restaurantes, geração de empregos e uma receita financeira de R$ 641 milhões apenas no período da sexta-feira de Carnaval (dia 9/2) à Quarta-Feira de Cinzas (dia 14/2).

 

“Esse carnaval foi feito por uma grande equipe. Ninguém faria um carnaval dessa magnitude se não tivéssemos uma equipe como a que temos hoje na Prefeitura de Belo Horizonte e a colaboração completa, extensiva e fundamental da Polícia Militar de Minas Gerais. Chega de termos uma cidade triste, como eu falei no início do meu mandato. Ganhou, aqui, uma filosofia de trabalho que resultou em um carnaval que a população aproveitou. Para o próximo carnaval, não esperem um crescimento de apenas 20% porque, felizmente, o Brasil vai migrar para o melhor carnaval de rua do país”, afirmou o prefeito Alexandre Kalil.

 

De acordo com o presidente da Empresa Municipal de Turismo (Belotur), Aluizer Malab, o balanço do Carnaval supera as previsões da própria Prefeitura. Antes mesmo do encerramento da festa, o Ministério do Turismo incluiu a capital mineira entre os seis maiores destinos de Carnaval do Brasil e o Google elegeu a folia belo-horizontina como a segunda melhor do país.

 

“Se observarmos os avanços, nós elevamos o nosso carnaval em todos os quesitos. Com planejamento, foi o segundo carnaval dessa gestão e pudemos trabalhar melhor. Na coletiva de entrega do carnaval, antecipamos onde queríamos chegar e hoje conseguimos superar nossa expectativa do planejamento. O maior desafio é elevarmos o nosso nível de satisfação; então vamos ter que revisitar todos os itens, aéreas, órgãos e ouvir mais e avançar no Carnaval. O desafio de quem está com um nível de satisfação tão alto é manter esse nível e superar. E nós vamos redobrar nosso esforço para que isso possa acontecer”, disse Aluizer Malab.

 

O presidente da Belotur também pontuou que o aumento de público veio acompanhado de uma melhora nos números da segurança, na qualidade dos serviços oferecidos aos foliões e, consequentemente, na avaliação do Carnaval de Belo Horizonte por parte de moradores e turistas, que, de 0 a 10, deram as notas de 8,3 e 8,6, respectivamente, para o evento.

 

“Estamos felizes com esses resultados e temos certeza de que estamos no caminho certo. Nestes dois anos de Carnaval na gestão do prefeito Alexandre Kalil, conseguimos, através de muito diálogo e interlocução com os diversos atores do Carnaval e da cadeia produtiva, crescer consideravelmente, mas mantendo e até mesmo melhorando os índices de qualidade”, comemora.

 

Além do prefeito e do presidente da Belotur, também participaram da entrevista coletiva: o vice-prefeito e secretário municipal de Governo, Paulo Lamac; a secretária municipal de Assuntos Institucionais e Comunicação Social, Adriana Branco; o secretário municipal de Segurança e Prevenção, Genilson Ribeiro Zeferino; o Comandante da Guarda Municipal, Rodrigo Prates; o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado; a secretária municipal de Política Urbana, Maria Caldas; o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Daniel Nepomuceno; a secretária municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, Maíra Colares; a diretora de ação regional e operações da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), Deusuíte de Assis; a diretora operacional da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), Andréa Fróes; o comandante da 1ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais (Comando de Policiamento da Capital), coronel Anderson de Oliveira; e o comandante do 1º Comando Operacional de Bombeiros, coronel William da Silva Rosa.

 

 

Gestão compartilhada

Além da Belotur, mais de 30 órgãos municipais, ao lado de órgãos estaduais como a Polícia Civil, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros, se envolveram na realização do Carnaval de Belo Horizonte 2018. No Centro de Operações da Prefeitura (COP) foi efetuado um monitoramento em tempo real de palcos, blocos de rua e qualquer possível ocorrência que pudesse afetar o andamento e a segurança do Carnaval, por meio de um Posto de Comando Integrado que contou com representantes da Belotur, Guarda Civil, BHTrans, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, entre outros.

 

 

Segurança

O período oficial do carnaval em 2018 foi 4 dias maior que o período do ano passado, ainda assim e apesar do crescimento de público, o Carnaval 2018 registrou uma queda significativa nos registros de ocorrências efetuados tanto pela Guarda Municipal (GMBH) quanto pela Polícia Militar, se consolidando como um dos carnavais mais seguros do país. A GMBH registrou uma diminuição de 15% nas ocorrências gerais, enquanto a PM relatou uma queda de 30% nos furtos e de 31% nos crimes violentos.

 

 

Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde montou dois Postos Médicos Avançados (PMAs), que funcionaram 24h por dia, da sexta-feira de Carnaval até a Quarta-Feira de Cinzas. Localizados na Praça da Estação e na rua Paraíba, próximo à Praça Tiradentes, os postos funcionaram em tendas de 30 m², com 75 macas no total, desfibriladores, monitores não invasivos, medicamentos e soluções para hidratação venosa. O PMA da Praça da Estação tinha a capacidade de realizar 25 atendimentos simultâneos e o PMA da Rua Paraíba, 20.

 

Os PMAs contavam com uma equipe multidisciplinar, composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e assistentes sociais.

 

O número total de atendimentos nos PMAs no período do Carnaval foi de 628, cerca de 75% a mais do que no ano passado.  Aproximadamente 20% dos pacientes precisaram ser encaminhados para UPAs, HPS João XXIII, Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro (HMDCC) e Cersams. 

 

As Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) realizaram uma média de 300 atendimentos por dia, sendo cerca de 13% relacionados ao Carnaval. A UPA Centro-Sul foi a que registrou o maior número de atendimentos relacionados ao Carnaval, cerca de 30%, sendo aproximadamente 80% causados por intoxicação provável por álcool.

 

 

Transporte

A BHTrans avalia que toda operação de trânsito e transporte foi bem-sucedida. Eventuais ajustes foram realizados conforme a necessidade e a movimentação dos blocos, sobretudo para garantir a segurança dos foliões e dos usuários do sistema de mobilidade. O planejamento, a atuação dos Agentes da BHTrans e o serviço “Posso Ajudar?” foram fundamentais para orientar os foliões sobre o trânsito e as linhas do transporte coletivo.

 

A BHTrans mobilizou um efetivo de mais de 500 funcionários por dia durante o Carnaval e registrou uma movimentação de 3,9 milhões de passageiros nas linhas de ônibus entre a sexta-feira de Carnaval e a Quarta-Feira de Cinzas.

 

Além disso, a BHTrans participou do planejamento e da operação que permitiu os desfiles dos blocos de rua, bem como a montagem dos palcos oficiais da Prefeitura e o desfile das Escolas de Samba e Blocos Caricatos, efetuando 1.860 desvios, mudanças e intervenções de fluxo de trânsito em vias e ruas.

 

Já a CBTU informou que 1,03 milhão de pessoas foram transportadas no metrô entre os dias 9 e 14 de fevereiro. O número é 30% superior ao número registrado no Carnaval de 2017

 

 

Limpeza Urbana

A equipe de limpeza da SLU contou com 800 funcionários por dia durante o Carnaval. O número representa um aumento de 33,3% em relação ao ano passado. Para uma maior eficiência, foram instalados 800 contêineres diariamente nos locais de maior concentração de pessoas, cada um com capacidade para 240 litros de resíduos. Ao todo, a SLU recolheu cerca de 1.500 toneladas de lixo durante o Carnaval de Belo Horizonte 2018.

 

 

Defesa Civil

Não registrou nenhum evento significativo durante o Carnaval, o que foi considerado um dado positivo pelo órgão.

 

 

Ambulantes

Cerca de 9,6 mil ambulantes foram credenciados para trabalhar durante o período oficial do Carnaval de Belo Horizonte. Os ambulantes puderam comercializar bebidas, alcoólicas ou não, e adereços carnavalescos nos ensaios de blocos de rua, durante o pré-carnaval, e nas concentrações e desfiles entre os dias 27 de janeiro a 18 de fevereiro. Foi proibida a venda de bebidas em recipientes de vidro, assim como bebidas fracionadas (em doses). O credenciamento de ambulantes contribuiu para a movimentação financeira do Carnaval de Belo Horizonte 2018, além de gerar uma oportunidade de renda para milhares de famílias.

 

 

Fiscalização

Para valorizar o trabalho dos vendedores ambulantes cadastrados pela PBH, diariamente cerca de 250 fiscais e 270 agentes de campo atuaram nas ruas da cidade em escala especial na Operação Carnaval. No total foram realizadas 63 apreensões de mercadorias diversas, como bebidas (inclusive em garrafas de vidro), salgadinhos e cigarros, no período de 27/1 a 14/02.

 

 

Assistência Social 

A Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania (SMASAC) realizou uma campanha educativa contra o trabalho infantil e a exploração sexual de crianças e adolescentes, com destaque para uma ação de corpo a corpo junto aos ambulantes credenciados pelo município, durante a retirada de suas credenciais.

 

Na campanha, foram distribuídos mais de 30.000 impressos com mensagens educativas e a indicação de canais de denúncia. Também foi lançado um vídeo com uma marchinha de carnaval relaciona à proteção integral de crianças e adolescentes.

 

Com foco na prevenção de conflitos, a SMASAC esteve presente no Centro de Operações de Belo Horizonte (COP-BH) durante todo o Carnaval, com servidores qualificados para lidar com cenários de conflito.

 

Foi destaque também a capacitação prévia de Guardas Municipais para um melhor atendimento de mulheres, crianças, jovens e público LGBT  em situação de violência ou outras necessidades. A SMASAC também manteve durante todo o Carnaval um plantão de Conselheiros Tutelares, para atendimento imediato das situações de violação de direitos contra crianças e adolescentes.

 

Equipamentos da pasta, como o Centro de Referência da Pessoa Idosa, organizaram bailes de carnaval, inclusive com a presença da corte momesca, envolvendo os usuários atendidos pela Prefeitura de Belo Horizonte.

 

 

Blocos de rua

De novembro de 2017 até o Carnaval, a Belotur manteve um contato constante com os blocos e com entidades do Poder Público como a Defesa Civil, a BHTrans, o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar, a fim de que a autonomia dos blocos fosse respeitada sem comprometer a mobilidade, os serviços essenciais da cidade e a segurança dos foliões.

 

Foram realizadas reuniões individuais com cada um dos blocos cadastrados, onde foram discutidos temas como interrupção do trânsito, possíveis gargalos (encontros com outros blocos), áreas de risco nos trajetos (regiões sujeitas a alagamento, pontes e viadutos) e a expectativa de público para posicionamento de banheiros químicos, entre outros.

 

Neste contexto, é importante ressaltar que nenhum cadastrado ficou de fora do Carnaval de Belo Horizonte 2018: ao todo foram 564 trajetos analisados, sendo 421 deles aprovados; os 143 desfiles restantes foram cancelados por desistência dos próprios realizadores ou tiveram sua denominação alterada para evento licenciado, devido ao formato dos mesmos. 

 

Palcos Oficiais

No Carnaval de 2018, a Prefeitura de Belo Horizonte intensificou seus esforços no sentido da descentralização da festa. O número de palcos oficiais aumentou de três para nove e, este ano, eles foram instalados também nas regionais Leste, Norte/Nordeste, Barreiro e Venda Nova. Em 2017, os três palcos oficiais se concentraram na região Centro-Sul.

 

A Belotur estima que entre 150 mil e 200 mil pessoas passaram pelos palcos nos cinco dias de programação, que teve início com Encontro de Blocos Afro, o Kandandu, na sexta-feira, 9/02.

 

O evento, realizado pelo segundo ano, trouxe novamente o tema da igualdade racial como ponto de destaque no Carnaval de Belo Horizonte. No ano passado, o Kandandufoi reconhecido pelo Governo Federal como uma iniciativa exemplar para a promoção social e cultural da população negra no país.

 

Ao todo foram mais de 100 horas de música nos nove palcos, que contaram com 76 atrações, como os grupos que fizeram parte do Kandandu, DJs e 38 artistas locais e regionais, escolhidos por edital, valorizando a cultura da cidade e contribuindo ainda mais para o crescimento do Carnaval de Belo Horizonte.

 

 

Desfile das Escolas de Samba e dos Blocos Caricatos

Um dos avanços no Carnaval de Belo Horizonte 2018 foi o aumento no valor da subvenção às Escolas de Samba e aos Blocos Caricatos. As Escolas de Samba do Grupo A receberam R$ 75 mil; as do Grupo B, R$ 37,5 mil; e os Blocos Caricatos, também R$ 37,5 mil. Os valores representam um aumento de 50% em relação ao investimento realizado em 2017.

 

A estrutura na avenida Afonso Pena recebeu vários incrementos, como a instalação de um cronômetro visível na avenida, melhorias na estrutura de som e na iluminação do espaço e arquibancadas com mais conforto. Com capacidade para cerca de duas mil pessoas, as arquibancadas receberam ótimo público nos dois dias de desfile.

 

Além delas, foi montada uma estrutura no entorno da área de desfiles com capacidade para mais oito mil pessoas, de onde um público flutuante de milhares de pessoas acompanhou a apresentação das Escolas de Samba e dos Blocos Caricatos.

 

O regulamento de 2018 inovou, ainda, ao prever, desde já, a vigência a partir de 2019 de uma dinâmica de acesso e rebaixamento das Escolas entre Grupo A e Grupo B, estimulando uma competição saudável que resulte na qualificação dos desfiles a cada ano.

 

Outro aspecto importante, também previsto no regulamento, é a abertura de espaço para o surgimento de novas Escolas de Samba e Blocos Caricatos, um ingrediente com potencial para trazer inovação e renovação para o Carnaval. Este ano Bem Te Vi e Real Grandeza desfilaram no Grupo de Avaliação das Escolas de Samba e Blocos Caricatos, respectivamente.

 

 

Campeões da avenida

A apuração dos resultados ocorreu na última sexta-feira, 18/02, no Parque Municipal. Entre as escolas de samba, o primeiro lugar ficou com a Escola de Samba Canto do Alvorada que trouxe o enredo ´Grupo Aruanda Embaixador da Cultura Brasileira´. Este foi o 16º título da escola, que não desfilou ano passado, mas conquistou o primeiro lugar em 2016. No desfile o destaque ficou por conta da participação do próprio Grupo Aruanda em três momentos distintos do desfile.

 

Em segundo lugar ficou a Escola de Samba Cidade Jardim, com o enredo ‘Cidade Jardim canta as flores’ e, em terceiro, a Acadêmicos de Venda Nova, com o enredo ‘Sou Pampulha, sou carnaval sou patrimônio da cultura mundial’. As três escolas receberam premiação em dinheiro: R$ 50 mil (primeiro lugar); R$ 25 mil (segundo lugar) e R$ 12,5 mil (terceiro lugar).

 

Entre os Blocos Caricatos, um empate técnico deu o primeiro lugar para os blocos Bacharéis do Samba, Estivadores do Havaí e Mulatos do Samba. Conforme o edital, a premiação será somada e dividida entre os três. Cada bloco receberá cerca de R$ 14,5 mil. O troféu ficará guardado na sede da Belotur até que outros dois sejam confeccionados.

 

Os enredos dos Blocos Caricatos vencedores foram: ‘Pintando o sete’ (Bacharéis do Samba), ‘Ilusionismo, magia ou feitiço’ (Estivadores do Havaí) e ‘Amazônia perfeita criação, pulmão do mundo, tesouro da Terra. Se não cuidar essa riqueza vai embora’ (Mulatos do Samba).

 

 

Inovação

Além de fomentar o turismo nos mais diversos setores da cadeia produtiva, o Carnaval 2018 também serviu de plataforma para projetos de inovação tecnológica, como o P4Tree.

 

O projeto, fruto de uma parceria entre a Belotur e a UFMG, intermediada pela ACMinas, transformou parte da urina coletada pelos banheiros químicos em adubo. A tecnologia capaz separar o fósforo presente na urina e reaproveitá-lo na agricultura foi desenvolvida pelo Departamento de Química da UFMG e implementada, de forma piloto, no Carnaval 2018.

 

Durante a festa, seis banheiros químicos foram equipados com recipientes próprios para o processo de ´filtragem` da urina, através de refis de coletores. Ao receber a urina, os coletores filtraram e separaram o fósforo do restante dos elementos. O resultado final do projeto foi a produção de 3 kg de adubo, que serão destinados ao Jardim Botânico de Belo Horizonte.

 

Os números podem parecer modestos, mas projetados para os 14 mil banheiros químicos do Carnaval, mostram que o P4Tree seria capaz de gerar sete toneladas de adubo.

 

Patrocinadores

O patrocínio do Carnaval de Belo Horizonte saltou de R$ 1,5 milhão em 2017 para R$ 9 milhões em 2018, sendo R$ 3,6 milhões em patrocínio direto e R$ 5,4 milhões em estruturas e serviços. O evento teve como patrocinadores a Skol, a Uber e Do Brasil Projetos e Eventos.

O Carnaval de Belo Horizonte é pra ficar no coração!

O Carnaval de Belo Horizonte passou, mas segue reverberando dentro da gente! Quem não tá sentindo aquela dorzinha nos pés (e em partes inimagináveis do corpo) de tanto foliar; aquele sono atrasado pedindo pra recuperar; e aquela sensação de plenitude que só o Carnaval consegue deixar?!

Pois é! Foi bonito, foi colorido, foi intenso! O maior Carnaval que Belo Horizonte teve de tudo e todo mundo. Teve cuidado, teve respeito, teve amor da rua invadindo os muros, varandas e janelas e teve até bloco atravessando túnel. 

A energia que prevaleceu foi a da generosidade. A cidade acolheu seus mais de 3 milhões de foliões e o povo respondeu com uma festa linda, diversa e plural! 

Mas e agora, que a festa acabou?! Agora é hora de guardar no coração, de relembrar o que temos pra amar do Carnaval e, claro, começar a programar a folia de 2019!

Selecionamos alguns dos melhores momentos desses dias maravilhosos pra você matar as saudades. Sim, porque por aqui a saudade já bateu! E pra você, o que vai ficar no coração depois do maior carnaval que Belo Horizonte já viu?

 

Carnaval de Belo Horizonte se consolida como um dos principais do país!

Belo Horizonte entrou, definitivamente, para o circuito dos maiores carnavais do país. Apostando em um Carnaval descentralizado, plural e inclusivo, norteado por uma gestão compartilhada, com respeito às suas origens e tradições, a cidade vem construindo um evento único, que se destaca na comparação com outras capitais. Recente pesquisa do Google apontou o Carnaval de Belo Horizonte como o segundo melhor do Brasil, à frente de Recife e Rio de Janeiro, por exemplo. Para o Carnaval de 2018 o Ministério do Turismo já havia colocado a cidade entre os seis principais destinos momescos do país e, passada a folia, a tendência é que Belo Horizonte se consolide como um dos principais destinos turísticos do país no período do carnaval.

“Mais que um Carnaval, a cidade ganhou um verão. Os preparativos da folia, incluindo ensaios de blocos de rua, festas e outros eventos, movimentam toda a cadeia produtiva, o que deixa nítida uma cidade alegre, viva, pulsante. São meses de atividades, o que traz pessoas de outras cidades, outros países. Além da promoção turística de Belo Horizonte, isso gera emprego e renda”, afirma Aluizer Malab, presidente da Belotur.

O resultado parcial de uma pesquisa qualitativa realizada pela Belotur entre os foliões mostra uma percepção muito positiva do Carnaval de Belo Horizonte. As palavras mais citadas por moradores da cidade e turistas foram ‘alegria’, ‘diversão’, ‘maravilhosa’ e ‘ótima’. Além disso, a nota média atribuída ao evento subiu em relação ao ano passado, refletindo os avanços na programação e na infraestrutura da festa. Érica Drumond, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Minas Gerais, confirma: “Os hóspedes estão elogiando muito todo o evento”.

Não são apenas os foliões que comemoram. A economia da cidade se aqueceu durante o período, gerando renda e emprego em diversos setores. A própria ABIH/MG projeta um resultado acima das expectativas, que já eram otimistas. “Os números confirmaram que os primeiros dias tiveram uma ocupação maior, porém essa ocupação se manteve alta depois”, explica Érica Drumond. “Nosso carnaval se consolida de vez, com um número expressivo de visitantes, movimentando toda a cadeia produtiva do turismo. O Turismo está em festa com esse novo produto turístico de qualidade”, complementa Jair Aguiar Neto, presidente do BH Convention & Visitors Bureau.

Patrocinadores

“Há cinco anos acreditamos no carnaval de BH, não só acompanhando, mas principalmente apoiando e contribuindo para que a festa siga crescendo e se destacando nacionalmente. Esse ano fomos novamente os patrocinadores da folia, mas ampliamos nossa presença, quebramos paradigmas e trabalhamos em diversas frentes. Unimos forças não só para garantir a infraestrutura e entretenimento do público, com a SKOLCachu, apoio aos blocos e eventos, mas também oferecendo a ambulantes, bares e restaurantes e até mesmo um grupo inédito de catadores de materiais reciclados, melhores condições de trabalho nesse período. Com tudo isso e o belo trabalho da Belotur e blocos de BH, ficamos muito felizes de apoiar o que já é um dos maiores Carnavais do Brasil”, conta Maurício Landi, gerente de marketing regional da cerveja SKOL

Ruddy Wang, gerente geral da Uber, adiciona: “A Uber está muito contente de ter tido a oportunidade de patrocinar esse ano em Belo Horizonte a festa mais tradicional do Brasil: o Carnaval, em uma demonstração do nosso compromisso de longo prazo com a cidade. Temos orgulho de ser o primeiro aplicativo de mobilidade a estar disponível em Belo Horizonte e, por isso, usamos nossa experiência adquirida em 3 anos de presença na cidade para preparar uma operação especial para melhorar a experiência dos motoristas parceiros e também dos usuários  que escolheram o app para curtir a festa por aqui. E para deixar o Carnaval de BH ainda mais inesquecível, trouxemos uma experiência inédita para a cidade: o Uber Aero Bike, que permitiu que mais de 4 mil foliões curtissem a festa por uma perspectiva diferente.”

“Estamos muito orgulhosos em fazer parte do planejamento e execução do Carnaval de BH em 2018. Trabalhamos incessantemente para que toda a infraestrutura estivesse em ordem para que os foliões pudessem curtir a festa com alegria. E foi um grande sucesso. Temos uma larga experiência em eventos de grande porte e o Carnaval da nossa cidade foi um desafio prazeroso de realizar. Acompanhamos o crescimento da festa na cidade e nos preparamos para entregar a melhor estrutura, com organização e respeito ao público”, conta Patrícia Tavares, uma das diretoras da DoBrasil Projetos e Eventos.

Vitória da cidade

Para o presidente da Belotur, o sucesso da folia em Belo Horizonte é uma vitória de toda a cidade: “O Carnaval é fruto de uma gestão compartilhada entre todos os órgãos da Prefeitura. Todo mundo quer que o Carnaval cresça, eu tenho certeza: os artistas que fazem a festa, os patrocinadores e, principalmente, a população. Esse é o momento de agradecer a todas as pessoas que fizeram essa festa acontecer”.

Além da Belotur, mais de 30 órgãos municipais se envolveram na realização do Carnaval, trabalhando junto a órgãos estaduais no Centro de Operações da Prefeitura, como a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros. Os dados completos fornecidos por todos os órgãos serão divulgados pela Belotur em uma coletiva na segunda-feira, dia 19, mas já é possível ter uma dimensão dos esforços de todos os envolvidos no evento: uma parcial da SLU indicava mais de 1000 toneladas de lixo recolhidas até a terça-feira de Carnaval. Nos Postos Médicos Avançados, montados pela Secretaria Municipal de Saúde, foram cerca de 400 atendimentos até esta Quarta-Feira de Cinzas.

A Defesa Civil não registrou nenhuma ocorrência significativa até o momento, um dado a se comemorar. Já a Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania implementou uma campanha educativa contra o trabalho infantil e a exploração sexual de crianças e adolescentes, com destaque para uma ação de corpo a corpo junto aos ambulantes credenciados pelo município, durante a retirada de suas credenciais.

A BHTRANS avalia que toda operação de trânsito e transporte para o Carnaval Belo Horizonte 2018 foi bem sucedida. Eventuais ajustes foram realizados conforme a necessidade e a movimentação dos blocos, sobretudo para garantir a segurança dos foliões e dos usuários do sistema de mobilidade. O planejamento, a atuação dos Agentes da BHTRANS e o serviço “POSSO AJUDAR?” foram fundamentais para orientar os foliões sobre o trânsito e as linhas do transporte coletivo.

“O Carnaval ainda está acontecendo, tem blocos na rua, ainda teremos a apuração das Escolas de Samba e Blocos Caricatos na sexta-feira, é hora de concentrar todos os esforços para que tudo corra bem até domingo. Na segunda-feira divulgaremos um balanço, mas posso adiantar que ele virá extremamente positivo e que já é uma realidade falar do Carnaval de Belo Horizonte como um dos maiores e mais bem estruturados do país”, garante o presidente da Belotur.

O mundo todo quer o Carnaval de Belo Horizonte! Veja os turistas que escolheram a cidade.

O Carnaval de Belo Horizonte tá demais, né? Cada dia uma surpresa diferente, uma emoção nova pra sentir e viver. E esse ano a festa não se restringiu aos mineiros. Muita gente de outros estados e até mesmo países escolheram a cidade para aproveitar a folia.

Dá só uma olhada nessa matéria do jornal Hoje em Dia sobre os turistas no nosso Carnaval! É folia demais, alegria demais! E tem pra todos os gostos. Sabe por que? Porque o Carnaval de Belo Horizonte é surpreendente e é de todo mundo!

 

Belotur divulga dados técnicos e a história das escolas de samba que vão desfilar na avenida

Com samba no pé, muito amor e garra pelo Carnaval de Belo Horizonte, as escolas de samba da capital prometem encantar o público na avenida Afonso Pena durante o desfile que acontece na terça-feira, 13 de fevereiro, a partir das 19h. Este ano, os desfiles prometem ser ainda mais bonitos, uma vez que, além do aumento do investimento para as agremiações, a Belotur fará melhorias na estrutura a ser montada na avenida, com o objetivo de valorizar ainda mais os desfiles. Tudo isso para fortalecer como um todo o Carnaval de Belo Horizonte e valorizar a tradição dos sambistas, escolas de samba e blocos caricatos, reconhecendo as décadas de história e contribuição para a festa na cidade.

Evoluções

Uma das novidades para 2018 é o aumento no valor da subvenção destinada aos grupos. As escolas de samba do Grupo A recebem R$ 75 mil; as do Grupo B, R$ 37,5 mil; e os blocos caricatos, R$ 37,5 mil. Os valores representam um aumento de 50% em relação ao investimento realizado em 2017.

A estrutura na avenida Afonso Pena também receberá vários incrementos, como a pintura do asfalto na cor branca, que valoriza as fantasias e adereços, a instalação de um cronômetro visível na avenida, melhorias na estrutura de som e na iluminação do espaço e arquibancadas com mais conforto. A proposta é investir em todas as frentes para que a experiência final seja a melhor possível para quem desfila e para o público, gerando um legado para os anos seguintes.

O regulamento de 2018 também inova ao prever, desde já, a vigência a partir de 2019 de uma dinâmica de acesso e rebaixamento das escolas entre Grupo A e Grupo B, estimulando uma competição saudável que resulte na qualificação dos desfiles a cada ano. Outro aspecto importante, também previsto no regulamento, é a abertura de espaço para o surgimento de novas escolas de samba e blocos caricatos, um ingrediente com potencial para trazer inovação e renovação para o Carnaval.

O Carnaval de Belo Horizonte 2018 tem o patrocínio da Skol, parceira há cinco anos da folia na capital, e da Uber, nova incentivadora da festa na cidade.

 

 

Ordem dos desfiles:

Afoxé Bandarerê
Grêmio Recreativo Escola de Samba Bem-Te- Vi
Grêmio Recreativo Escola de Samba Estrela do Vale
Grêmio Recreativo Escola de Samba Cidade Jardim
Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos de Venda Nova
Grêmio Recreativo Escola de Samba Imperavi de Ouros
Grêmio Recreativo Escola de Samba Canto da Alvorada


Confira a Ficha técnica das Escolas de Samba:

 

G.R.E.S. Mocidade Independente Bem-Te-Vi

 

Fundada em abril de 1979, a agremiação que tem como símbolo o pássaro bem-te-vi, será a primeira a entrar na avenida.

Sem desfilar desde 2016, a escola vai homenagear a cidade de Sete Lagoas, que comemora 150 anos, mostrando sua história, seus pontos turísticos e sua gente. O carnavalesco Aloiz Marinho promete muitas cores e brilho na Afonso Pena.

Enredo: Parabéns Sete Lagoas, são 150 anos. Cidade dos sete lagos encantados, cidade nascida no alto.

Samba Enredo: Gabriel Maia

Carnavalesco: Aloiz Marinho

Componentes: 220

Alas: 6

Carros Alegóricos: 1

 

G.R.E.S. Estrela do Vale

Fundada em 2009, a Estrela do Vale representa a região do Barreiro no Carnaval de Belo Horizonte. A escola foi o vice-campeã no Carnaval 2017.

Neste ano a escola faz uma crítica bem-humorada à situação atual do Brasil através das danças típicas. A Estrela do Vale começará o desfile contando sobre a chegada dos portugueses – e como os índios “dançaram” – e percorrerá os diversos estilos de dança do país. O último carro,‘Um Musical Chamado Brasil’, faz uma síntese de todo o enredo, mostrando a dualidade entre a alegria as dificuldades que o povo brasileiro enfrenta.

Enredo: Um Musical Chamado Brasil

Samba Enredo: Wilblener Danilo/ Igor Paulo/ Dudu Estrela do Vale

Carnavalesco: Flávio Campelo

Componentes: 380

Alas: 10

Carros Alegóricos: 4

 

G.R.E.S. Cidade Jardim

Em 1961, um integrante da Escola de Samba União Serrana, do Conjunto Santa Maria, criou a Escola de Samba Cidade Jardim. Uma das mais tradicionais escolas de samba de Belo Horizonte, a Cidade Jardim já faturou 20 títulos, sendo 19 consecutivos.

 

Em 2018, a escola traz o enredo ‘Cidade Jardim canta as flores’, criado pelo carnavalesco Paulo Balbino.

Enredo: Cidade Jardim canta as flores

Samba Enredo: Ivair Rabelo e Pirulito da Vila

Carnavalesco: Paulo Balbino

Componentes: 800

Alas: 12

Carros Alegóricos: 3

 

G.R.E.S. Acadêmicos de Venda Nova

Fundada em 2005 na casa da família Gonçalves, no bairro São João Batista, a escola desfila representando a criatividade da região de Venda Nova. Seus símbolos tradicionais são um pandeiro e a mitológica ave Fênix. Pentacampeã, a escola venceu cinco das últimas dez disputas, inclusive a do ano passado.

 

Em 2018, a Acadêmicos de Venda Nova vai celebrar o reconhecimento do conjunto arquitetônico da Pampulha como Patrimônio Cultural da Humanidade, pela Unesco. O desfile promete ser um passeio pelas atrações da orla da Lagoa da Pampulha, das obras de Niemeyer ao Mineirão, passando pelo antigo cassino e pelo zoológico.

Enredo: Sou Pampulha, sou carnaval sou patrimônio da cultura mundial

Samba Enredo: Xico Queiroz; Vinícius Mineiro, Evandro Melo

Carnavalesco: Marco Aurélio Gonçalves

Componentes: 600

Alas: 16

Carros Alegóricos: 4

 

 

G.R.E.S. Imperavi de Ouros

 

Da fusão dos nomes das escolas de samba Imperatriz e Bem-te-vi originou-se a Escola Imperavi de Ouros, criada no bairro Anchieta, em janeiro de 2013.

Uma das mais jovens agremiações de Belo Horizonte, ela promete pintar a Afonso Pena de verde em 2018, levando o verde das matas para a avenida. O enredo é um grito de alerta para a preservação indígena e os cuidados com a natureza.

Enredo: A tribo Imperavi canta os encantos dos mistérios da Amazônia

Samba Enredo: Carmo Antunes, Guilherme Mocidade,

Carnavalescos: Luis Carlos Novais, Sandro Sodré e Professor Rogério Rosinha

Componentes: 430

Alas: 15

Carros Alegóricos: 4

 

G.R.E.S. Canto da Alvorada

Durante um bate-papo sobre Carnaval, em março de 1979, foi fundada a Escola de Samba Canto da Alvorada, na sede do Clube Atlético Mineiro. De lá pra cá foram 15 títulos, o último em 2016. O nome faz alusão ao vínculo da escola ao clube, afinal, quem canta na alvorada é o galo.

 

Neste ano, a escola homenageia o Grupo Aruanda. “Falar do Aruanda é mais que um enredo, é uma necessidade. É um compromisso da escola de resgatar o que há de melhor na dança folclórica”, explica Maria Elisa de Moraes, diretora de Harmonia e Carnaval. Na Afonso Pena, o destaque deve ficar por conta da participação do próprio Grupo Aruanda em três momentos distintos do desfile.

 

Enredo: Grupo Aruanda Embaixador da Cultura Brasileira

Samba Enredo: Serginho BH

Rainha da Bateria: Natália Moreno

Carnavalesco: Diretoria de Carnaval / Maria Elisa Abreu Cruz de Morais

Componentes: 650

Alas: 17

Carros Alegóricos: 4

 

Samba-Enredos:

 

G.R.E.S. Mocidade Independente Bem-Te-Vi

Enredo: Parabéns Sete Lagoas são 150 anos. Cidade dos sete lagos encantados, cidade nascida no alto.

Compositor: Gabriel Maia

Parabéns pra você Sete Lagoas

Cidade nascida para o alto

A rainha do sertão

A verde e branco veio te homenagear

 

A Bem-te-vi

Vem trazer pro Carnaval (lara lai)

Cento e cinquenta anos de glória

Parabéns Sete Lagoas

 

Você… tem sete lagos encantados

E contemplando esse cenário

A sua gruta, que beleza divinal

 

Hoje eu quero cantar forte

Eu vou bater no peito e vibrar no Carnaval (eu vou! eu vou!) (bis)

Sou sete lagoana com muito orgulho sou de Minas Gerais

 

(Oh Terra!)

Terra de artistas importantes

Zacarias, e outros mais

Terra das pedras preciosas

Das esmeraldas e dos cristais

 

Vamos voar por aí

E ver campinas verdejantes

Os seus belos lagos azuis

As suas fábricas e siderúrgicas

Fazem de você (o que!?)

A cidade do meu coração

 

Laia Laia La Laia Laia

Sete Lagoas mora em nosso coração (bis)

Vamos cantar pra ela
Salve ela a rainha do sertão

 

G.R.E.S. Estrela do Vale

Enredo: Um Musical Chamado Brasil

Compositores: Wilblener Danilo/ Igor Paulo/ Dudu Estrela do Vale

Estrela do Vale a minha paixão
Azul e amarelo é o meu pavilhão                                           
Uma linda história que o povo aplaudiu
Um musical chamado Brasil (bis)

Vem amor!
Vem amor, na avenida outra vez se encantar
Esta beleza que vem lá de Portugal
Nas caravelas de Cabral
No vira, vira, vira, vira vem dançar
E vamos todos ora pois balancear

Jaci pra Tupã dançou
E ele se encantou
Na aldeia abre a roda prá cantar
Bate o pé no chão porque a chuva vai chegar

Capoeira na Bahia vamos todos festejar
Gira baiana gira
Para cabeça para saudar seu orixá
Axé, axé, vem lá do terreiro de Umbanda e Candomblé
Axé, axé, vem lá do terreiro de Umbanda e Candomblé
Pega a sanfona a festa vai começar
Chora viola cada um pega seu par
São João, São João acende a fogueira do meu coração
São João, São João acende a fogueira do meu coração

Rock and Roll, guitarras dão o dom para embalar
E eu vou, as tardes de domingo relembrar
Vi o rei passar, no calhambeque acenar
Estando aqui, muitas emoções eu vivi

O Funk veio para modernizar
Em becos e vielas se espalhou
Se dança é arte, a vida é um show!
Quem é de sambar, sambou…!

 

G.R.E.S. Cidade Jardim

Enredo: Cidade Jardim canta as flores

Compositores: Ivair Rabelo e Pirulito da Vila

 

Das trevas, fez a luz
Anjos e fadas anunciam a criação
Flores enfeitam e perfumam o paraíso
Como dizia o poeta:
“Hoje o céu está tão lindo!
É a primavera! Te amo, meu amor!
“Trago essa rosa para lhe dar”
Luz do Sol, aquece e faz florir
O desabrochar de uma flor emociona, arrepia, faz delirar
Beleza na alma, pureza do amor
Suas cores enfeitam a “tela” do mundo, lindo arco-íris
Divina obra do criador
Seu perfume inebria e atrai
Zumbidos na dança da esperança (polinização)
O pólen e conduzido na leveza e no caminho do vento
Ventos que sopram na memória ancestral
Valsam as flores
O orvalho penetra e deflora a pureza da flor
Margaridas, gérberas, tulipas, bem-me-quer
Cravos, rosas, jasmim, malmequer
Orquídeas, dálias, hortênsias, enfim
Traga qualquer flor para mim…
“Não corra atrás das borboletas, plante uma flor em seu jardim e todas as borboletas viram até elas”

 

G.R.E.S. Acadêmicos de Venda Nova

Enredo: “Sou Pampulha, sou Carnaval! Patrimônio da Cultura Mundial”

Compositores: Xico Queiroz, Vinícius Mineiro, Evandro Melo

É patrimônio Cultural
Nossa Pampulha, Cartão–Postal
A venda Nova vem saudar
O orgulho de “Beaga”

Vem pro Baile
Que hoje tem festa na orla da lagoa
Sobre o seu espelho d´água
O lirismo da Pampulha Ecoa
Vejo da Roda-Gigante
Que o céu é tão grande, “Valei-me Deus!”
De peito aberto na igrejinha
Agradeço a maravilha que nos deu

Vou levar toda família
Pra conhecer os animais
Neste universo de multicores
Parque Ecológico é padrinho dos amores (bis)

Iemanjá, “Odoyá”, vou clamar todos os dias
Vem derramar nas águas doces
O seu mar de energias
E logo mais, na arquibancada é só alegria
Invade o meu peito, explode coração
Levando de uma vez a agonia
É grito de gol, meu time é vencedor
Pampulha testemunha esse amor

A venenosa vai passar, é ruim de segurar
O coração “bate nos pés”
Pra Vilarinho vou voltar, cantando sem parar
“Pampulha meu enredo nota 10” (bis)

 

G.R.E.S. Imperavi de Ouros

Enredo: A tribo Imperavi canta os mistérios da Amazônia

Compositores: Carmo Antunes, Guilherme Mocidade

Encantos e mistérios da floresta
Meu grito ecoa no alto do Xingu
Verdejante vem a tribo Imperavi
No canto magistral do Uirapuru

Cidade do Eldorado
Manoa de outros e cristais
Onde reina o dragão e seus guerreiros
Lago sagrado e suas lendas surreais

Chegando em Parintis
Não sei quem é mais formoso
O batuque garantido
Ou o repique caprichoso

As lendárias amazonas
E o amuleto muiraquitã
A origem do Guaraná
Vitória, régia , Jaçanã

Iara falou: o homem boto vem ai
Não vai na conversa dele
Que ele vai te seduzir
Pajés e feiticeiros louvando a cantar
Terra, fogo,  água e ar (bis)

Sou Carajás, Sou Guaranis

Camaiurá, nação Tupi

Viva Tupã, guardião guerreiro

Da Amazônia e do povo brasileiro

 

 

G.R.E.S. Canto do Alvorada

Enredo: Grupo Aruanda Embaixador da Cultura Brasileira

Compositor: Serginho BH

Voltei…

Depois de percorrer o mundo

Tecendo a teia dos nossos ancestrais

Compreendendo a vida em notas musicais

 

Foi um tititi deu o que falar

Ciganinha do Egito

Entrei na roda para ser seu par

 

Maria Bonita Lampião chamou

Foi o ponto alto meu tambor ecoou

 

Dança dos Orixás

Frevo maracatu boi da Paraíba

Carimbó retumbão

Cateretê, xaxado, Festa de São João

 

Chora viola, dança gaúcha

Vai ter festa a noite inteira

Sou embaixador da cultura brasileira

Minha emoção aruandense contagia

É folclore é popular eis a magia

Paulo César Valle gênio

Fez nascer Grupo Aruanda

Virou paixão internacional

Veio brilhar no meu Carnaval

 

Ó Senhora do Rosário

Dai-me sua proteção

Canto da Alvorada anuncia

Aruanda e faz a louvação

 

 

Carnaval de Belo Horizonte 2018

Nos últimos anos o Carnaval de Belo Horizonte se consolidou como um dos maiores do Brasil. De acordo com as estimativas divulgadas pelo Ministério do Turismo, a cidade é um dos destinos mais procurados, ao lado de Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife e Olinda. Juntas, elas devem ser responsáveis por 65% de toda a movimentação financeira no país durante o período de folia.

O Carnaval de Belo Horizonte, que acontece oficialmente do dia 27 de janeiro a 18 de fevereiro, se tornou um dos mais surpreendentes do país. Para este ano, a expectativa é de 3,6 milhões de foliões, 20% a mais que em 2017. Serão cerca de 480 blocos de rua com 550 desfiles.

Entre as novidades estão os nove palcos oficiais distribuídos entre as regionais, descentralizando ainda mais a programação na cidade. Além disso, melhorias estruturais acontecerão na Avenida Afonso Pena para o desfile das escolas de samba e blocos caricatos. Pela primeira vez na história da cidade, a avenida será pintada de branco para valorizar as fantasias e adereços, assim como acontece nos sambódromos. No local será instalado ainda um cronômetro para contar o tempo dos desfiles.

Outro aspecto importante, também previsto no regulamento, é a abertura de espaço para o surgimento de novas escolas e blocos, um ingrediente com potencial para trazer inovação e renovação para o Carnaval. 

O Carnaval de Belo Horizonte 2018 tem o patrocínio da Skol, parceira há cinco anos da folia na capital, e da Uber, nova incentivadora da festa na cidade.

 

É hoje! Confira 7 hits para você fazer o esquenta do Carnaval de Belo Horizonte

O Carnaval chegou! E hoje à noite vamos dar aquele abraço de amor na Praça da Estação com a apresentação dos blocos afros no Kandandu, que abre oficialmente a folia na capital! Para já preparar os pés para o ritmo contagiante dos tambores, montamos uma lista especial só com hits de grupos cantando a cultura e a alegria africanas!

Dá o play e vem dançar com a gente!

Faraó Divindade do Egito – Margareth Menezes

Asanshu – Carlinhos Brown/Timbalada

É D’oxum – Rita Ribeiro

Muito obrigado Axé – Ivete Sangalo

Deixa a gira girar – Mametto

Negrume da Noite – Ilê Aiyê 

Que bloco é esse – Ilê Aiyê

Saiba 4 festas para quem quer desblocar no Carnaval de Belo Horizonte

De todo mundo, em todo lugar e para todos os gostos! Esse é o Carnaval de Belo Horizonte! Com a expectativa de reunir mais de 3,5 de pessoas, a folia desse ano chega com opções de rua e também festas e shows particulares, que agradam a quem não curte tanto as multidões e também os foliões mais animados que não se satisfazem só com os blocos de rua.

 

Durante os cinco dias de festa, grandes nomes da música, de diferentes estilos, estarão em espaços conhecidos pelos grandes eventos. O Mirante Beagá, no bairro Olhos d’água, recebe artistas como Durval, que toca pela primeira vez fora do carnaval baiano, Bell Marques, Anitta, Wesley Safadão e Banda Eva.

 

No Mineirão, o Bloco da Pan acontece no dia 10, sábado, reunindo Pablo Vittar e Ludmilla. Também por lá, a novidade desse ano fica por conta do “BloCão”, festa que acontece no dia 11 com atrações para os pets. O evento inclui concurso de fantasias,“aulão” de adestramento e também uma feira para adoção de animais, toda a programação com entrada gratuita.

 

Para quem vai para a rua durante o dia e quer estender a noite na mesma vibe, a melhor dica é o Carnaval do Distrital, que acontece no Mercado Distrital do Cruzeiro com uma programação diversificada até depois do carnaval. Bailes temáticos, shows e a reapresentação dos blocos de rua acontecerão por lá.

 

Saiba mais sobre cada uma das festas:  

Carnaval do Mirante

Bloco da Pan

BloCão – Estádio Mineirão

Carnaval do Distrital

 

Prefeitura divulga programação dos palcos oficiais do Carnaval de Belo Horizonte

A agenda do maior Carnaval que Belo Horizonte já viu começa a ficar completa: a programação dos palcos oficiais que vão movimentar a folia em diversos pontos da cidade já está disponível pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Belotur. Serão nove palcos, onde se apresentarão artistas dos mais diversos estilos, em mais de 100 horas de música. Dois dos palcos (Parque Municipal e Savassi) serão focados na programação infantil, com o Carnavalzinho.

Consequência natural do crescimento do Carnaval de Belo Horizonte nos últimos anos, a expansão do número de palcos é resultado também do compromisso da Belotur em descentralizar a folia, levando programação para toda a cidade. Ao contrário de 2017, quando os três palcos oficiais se concentravam na região Centro-Sul, neste ano eles estarão presentes também nas regionais Leste, Norte/Nordeste, Barreiro e Venda Nova.

Além disso, a programação dos palcos foi montada de forma a prestigiar artistas locais, valorizando a cultura da cidade e contribuindo ainda mais para o crescimento do Carnaval de Belo Horizonte. As atrações começam sexta feira, dia 9, com o Kandandu, e vão até a terça feira, dia 13. Confira a programação e a localização dos palcos:

 

PALCO PRAÇA DA ESTAÇÃO
(Praça da Estação)

Sexta – 09/02 (KANDANDU)

DJ Rafael

19:20    Fala Tambor
20:30    Afoxé Bandarerê
21:40    Magia Negra
23:50    Samba da Meia Noite
01:00    Angola Janga
01:40    Abraços

Sábado – 10/02

DJ Thiagão

19:30    Bateria Show Estrela do Vale
21:00    Manu Dias
23:30    Raquel Lídia

Domingo – 11/02

DJ Thiagão

18:00    Juventude e Polícia, Paz e Prevenção
19:00    Havayanas Usadas
22:00    Bateria Imperatriz Mineira
23:30    Bateria Show Acadêmicos Venda Nova

Segunda-feira – 12/02

DJ Thiagão

19:00    Banda Oi de Gato
21:00    Gilmar do Cavaco
23:00    Bateria Imperador

Terça-feira – 13/02

DJ Thiagão

19:00    Ricardo Barrão e Banda
21:00    Unidos do Samba Queixinho
23:00    Magnatas do Samba

 

PALCO AVENIDA BRASIL
(Av. Brasil, 41, próximo à Praça Floriano Peixoto)

Sábado – 10/02

Palomita DJ

19:00    Maria Bragança Quarteto
21:00    Warley Henrique
23:30    Djalma Não Entende

Domingo – 11/02

DJ Cateb

19:00    Pequena Morte
21:00    Baile do Maguá
23:30    Marcos Frederico e o Carnaval Cigano

Segunda-feira – 12/02

Palomita DJ

19:00    Airam Nunes
21:00    Octávio Cardozzo
23:30    Zé da Guiomar

 

PALCO GUAICURUS
(R. Guaicurus, esquina com R. São Paulo)

Domingo – 11/02

DJ Mayke Henry

22:00    Magnatas do Samba
01:00    Nonato do Samba
Segunda-feira – 12/02 

DJ Zubreu

23:00    Bloco Rei
01:00    Veronez – Narciso Deu um Grito
03:00    Família de Rua

Terça-feira – 13/02

DJ Mayke Henry

23:00    Amanda Versus
01:00    Dani Morais

 

PALCO NORTE/NORDESTE
(Via 240 – Av. Risoleta Neves entre R. Santa Maria e R. da Pedreira)

Sábado – 10/02

DJ Zubreu

16:30    Juventude e Polícia, Paz e Prevenção
17:30    Lulu do Império
19:00    Gilmar do Cavaco
21:30    Ricardo Barrão e Banda

 

PALCO BARREIRO
(Av. Deputado Álvaro Antônio, entre Av. 2 e Av. Olinto Meireles)

Sábado – 10/02

DJ Fael

16:00    Show da Liga da Justiça
17:00    Unidos do Samba Queixinho
19:00    Nonato do Samba
21:30    Bira Favela

 

PALCO PARQUE MUNICIPAL
(Av. Afonso Pena, 1377, em frente ao Teatro Francisco Nunes)

Domingo – 11/02

DJ Aída

10:00    MPBaixinhos
12:00    Juventude e a Polícia, Paz e Prevenção
14:00    Show da Liga da Justiça

 

PALCO LESTE
(Av. Belém entre Av. dos Andradas e R. Tulipa)

Segunda-feira – 12/02

DJ Fael

16:00    Juventude e a Polícia, Paz e Prevenção
16:30    Show da Liga da Justiça
17:00    Fábio Godoy Peregrino
19:00    Bira Favela
21:30    Carla Gomes

 

PALCO VENDA NOVA
(R. Érico Veríssimo, 2600)

Terça-feira – 13/02

DJ Corisco

16:00    Show da Liga da Justiça
17:00    Bateria Show Estrela do Vale
19:00    Raquel Lídia
21:30    Bartucada de Diamantina

 

PALCO SAVASSI
(R. Tomé de Souza, esquina com Av. Cristóvão Colombo)

Terça-feira – 13/02

DJ Aída

10:00    MPBaixinhos
12:00    Juventude e a Polícia, Paz e Prevenção
14:00    Show da Liga da Justiça

 

Carnaval de Belo Horizonte 2018
Nos últimos anos o Carnaval de Belo Horizonte se consolidou como um dos maiores do Brasil. De acordo com as estimativas divulgadas pelo Ministério do Turismo, a cidade é um dos destinos mais procurados, ao lado de Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife e Olinda. Juntas, elas devem ser responsáveis por 65% de toda a movimentação financeira no país durante o período de folia.

O Carnaval de Belo Horizonte, que acontece oficialmente do dia 27 de janeiro a 18 de fevereiro, se tornou um dos mais surpreendentes do país. Para este ano, a expectativa é de 3,6 milhões de foliões, 20% a mais que em 2017. Serão cerca de 480 blocos de rua com 550 desfiles.

Entre as novidades estão os nove palcos oficiais distribuídos entre as regionais, descentralizando ainda mais a programação na cidade. Além disso, melhorias estruturais acontecerão na avenida Afonso Pena para o desfile das escolas de samba e blocos caricatos. Pela primeira vez na história da cidade, a avenida será pintada de branco para valorizar as fantasias e adereços, assim como acontece nos sambódromos. No local será instalado ainda um cronômetro para contar o tempo dos desfiles.

Outro aspecto importante, também previsto no regulamento, é a abertura de espaço para o surgimento de novas escolas e blocos, um ingrediente com potencial para trazer inovação e renovação para o Carnaval. 

O Carnaval de Belo Horizonte 2018 tem o patrocínio da Skol, parceira há cinco anos da folia na capital, e da Uber, nova incentivadora da festa na cidade.